Serra da Barriga: de Quilombo dos Palmares à Patrimônio Cultural do Mercosul

A Serra da Barriga está localizada no município de União dos Palmares, situada à 83 km da capital alagoana. Durante quase 100 anos abrigou o maior quilombo do país e atualmente é considerada símbolo da resistência negra durante o período escravocrata e reconhecida como patrimônio cultural pelo IPHAN (1986) e MERCOSUL (2017).

Vista superior da Serra da Barriga. Foto: Trend Criativa.

No dia 20 de novembro é palco de uma grande festividade: o dia da Consciência Negra. Milhares de pessoas, dentre elas, alagoanos, brasileiros e até de outras nacionalidades, percorrem a pé os 7km da Serra da Barriga para participar da comemoração, em dias normais o percurso pode ser feito de carro. No topo, onde está localizado o Parque Memorial Quilombo dos Palmares, ocorrem apresentações culturais, rodas de capoeira, comercialização de artesanato local, comidas típicas e muito mais.

Dia da Consciência Negra. Foto: Philipe Medeiros.
Dia da Consciência Negra. Foto: Copa Air Lines.
Dia da Consciência Negra. Foto: Philipe Medeiros.
Dia da Consciência Negra. Foto: Philipe Medeiros.

Lembro-me muito bem da primeira vez que fui à Serra comemorar a Consciência Negra. Na época estava desenvolvendo um trabalho sobre União dos Palmares e já havia visitado a cidade diversas vezes, mas fiquei extremamente encantada do quanto aquele lugar em dias normais era tranquilo e naquela ocasião estava cheio de cores, gente e muita música. Me fez inclusive refletir como deveria ser valorizado sempre devido a sua importância histórica e não somente no mês de novembro.

Artesão local. Foto: Juliana Cavalcante.
Dança africana. Foto: Mariana Cavalcante.
Oca indígena. Foto: Juliana Cavalcante.

Não sei se vocês sabem, mas o Quilombo dos Palmares originou-se no século XVII a partir da fuga dos escravos que estavam insatisfeitos com as condições exploratórias e subumanas que viviam nos engenhos de açúcar. As fugas foram tantas que o quilombo teve que ser organizado em 10 mocambos, num território de aproximadamente 200km², que se estendia desde às margens do rio São Francisco em Alagoas até Cabo de Santo Agostinho em Pernambuco.

Entrada da Serra da Barriga. Foto: Philipe Medeiros.
Parque Memorial Quilombo dos Palmares. Foto: Philipe Medeiros.

Diante dessa grande extensão territorial, exigiu uma organização interna muito bem elaborada. O mocambo de Macacos (atual território de União dos Palmares) foi estabelecido como sede, em que o grande líder residia e tomava suas decisões apoiadas nos líderes dos demais mocambos. Foram 3 os grandes líderes: Aqualtune, Ganga Zumba e Zumbi. Para sobreviver os quilombolas investiram na agricultura de subsistência, na pesca e na caça. Plantavam milho, banana, feijão, mandioca, laranja e cana-de-açúcar. Faziam artesanato com cerâmica, tecido de palha e os excedentes eram comercializados com as populações vizinhas.

Gameleira Branca. Foto: Trend Criativa.
Lagoa Encantada. Foto: Philipe Medeiros.

Com o passar dos anos, Palmares passou a abrigar brancos, índios e negros libertos, estima-se que tenha tido 20 mil habitantes em seu auge. Os quilombolas também adotaram uma postura mais ativa e começaram a invadir as fazendas da região para libertar escravos, roubar armas e comida e raptar as mulheres. Essas atitudes geraram incômodo nos donos de engenho que tentaram diversas vezes destruir o quilombo. Palmares resistiu aproximadamente 100 anos e foi efetivamente extinguido em 1694, quando o governo português se uniu aos grandes proprietários de terras da região e contratou uma tropa de bandeirantes paulistas lideradas por Domingos Jorge Velho.

Oca Indígena. Foto: Philipe Medeiros.
Interior da Oca Indígena. Foto: Trend Criativa.

O tombamento da Serra da Barriga ocorreu apenas séculos após sua destruição devido à mobilização de grupos de ativistas e de estudiosos. Em 2007 foi construído o Parque Memorial Quilombo dos Palmares no topo da Serra a fim de recriar edificações que existiam nos mocambos. Alguns espaços são associados às atividades religiosas, como os espaços “campo santo” (onjó cruzambê) e “lagoa encantada dos negros e gameleira sagrada (irocô). Outros representam práticas cotidianas que foram assimiladas do povo indígena e incorporadas à cultura afro-brasileira, como por exemplo a construção de ocas e a casa de farinha (onjó da farinha). Também há espaços para apresentações culturais e mirantes para a contemplação da belíssima vista. O parque conta com instalações de apoio ao visitante como banheiros e restaurante e está aberto para visitação gratuita das 8h às 17h.

Muxima de Palmares. Foto: Philipe Medeiros.
Espaço de apresentações culturais. Foto: Trend Criativa.
Mirantes com vista da Serra. Foto: Philipe Medeiros.
Casa de Farinha. Foto: Philipe Medeiros.

Para finalizar esse post vou deixar abaixo o mini-documentário que fiz sobre turismo criativo em União dos Palmares.

Além da Serra | Direção: Mariana Cavalcante | Fotografia: Ramon Santos

Dicas:

  • Se for no dia da Consciência Negra, vá cedo para aproveitar melhor o dia! Se prepare, porque a subida é longa.
  • Na Serra da Barriga também está localizado o Restaurante Baobá da chef Mãe Neide que é uma boa opção para quem quer provar a culinária afro-brasileira. Infelizmente o restaurante não abre todos os dias, é legal vocês se informarem antes (Instagram: @vemprobaoba / Telefone: 82 996.103.931).
  • Locais para conhecer em União dos Palmares além da Serra da Barriga: Comunidade de remanescentes quilombolas Muquém, Fazenda Anhumas, antiga Estação Ferroviária (atual Mercado do Artesanato), Casa Museu Maria Mariá, Casa Museu Jorge de Lima e o Museu da Dona Irinéia, no Campus da UNEAL.
  • A empresa WS Receptivo realiza passeios às quartas-feiras saindo de Maceió para União dos Palmares, ideal para quem quer fazer uma visita express (Instagram: @wstureceptivo / Telefone: 82 3327.6655 e 82 999.999.191 / Página web: WSTUR).
  • Em caso de dormir em União dos Palmares, sugiro duas opções: Hotel Santa Maria Madalena localizado no centro da cidade com preços mais acessíveis; e o Quilombo Hotel Fazenda mais afastado do centro, mas possui chalés, piscina, spa, muito verde, um bom restaurante e diversos passeios. Ambos estão disponíveis no Booking.

Informações Parque Memorial Zumbi dos Palmares:

Endereço: Estrada do Matadouro, 15025, União dos Palmares – AL, 57800-000.
Horário de funcionamento: Todos os dias das 8h às 17h.
Página web: Serra da Barriga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *