A magia e beleza dos Cânions de Xingó

Quem vai a Piranhas não pode deixar de conhecer os Cânions de Xingó! Existem muitas paisagens belas ao longo do Rio São Francisco, mas a região de Piranhas é a melhor escolha para quem deseja conhecer a parte mais mágica do Rio, que são os Cânions.

Gruta do Talhado nos Cânions de Xingó. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Os Cânions são extensos paredões formados através de processos erosivos no decorrer de milhares de anos, esculpidos principalmente pela ação dos ventos e das águas. Eles apresentam vales profundos, abrangendo grandes áreas e com exuberantes morfologias geológicas. Muitos não sabem, mas os Cânions de Xingó foram formados após o represamento das águas do Rio São Francisco para a construção da Hidrelétrica de Xingó em 1994, na divisa entre Alagoas e Sergipe, sendo considerado o 5 maior cânion navegável do mundo! E é por essa proximidade que muitos pensam que os cânions na verdade são de Sergipe, mas eles estão localizados em território alagoano, pegando alguns municípios como: Piranhas, Olho d’água do Casado e Delmiro. São cerca de 60km de extensão e 200m de profundidade!

Para conhecer essa beleza é muito fácil! Lá em Piranhas há várias empresas que realizam o passeio e você pode optar por ir de lancha ou catamarã. Nós aconselhamos você a ir de lancha (optamos por esse) pois o catamarã não chega em alguns pontos do Rio devido ao tamanho da embarcação, além disso de lancha você tem mais liberdade para ficar mais tempo nos pontos que preferir e estender o passeio por mais horas. Fora que o preço é quase a mesma coisa! Existem algumas variações no valor que dependem do tipo de lancha escolhida e também pela empresa, mas os valores são meio que tabelados então as empresas não diferem muito uma das outras. 

Atracadouro da Praia da Dulce. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Prontas para o passeio. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Lancha voadeira. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Nós fechamos com a Lampião Tour e escolhemos a lancha voadeira que tem espaço para 13 pessoas. Ela é confortável, você pode levar um cooler (no catamarã não é permitido) tem um espaço bom e tivemos a sorte de não ter ninguém, o que nos deu ainda mais liberdade! Como fomos assim que os passeios reabriram pegamos a lancha e os locais vazios, o que foi uma vantagem na hora de tirar fotos hehe. É importante mencionar que a saída mínima da lancha é de 4 pessoas, ou seja, se você estiver em menor quantidade por regra teria que pagar o valor por 4! Mas é bem raro não ter outras pessoas para poder fechar o passeio e se você estiver com um grupo grande melhor ainda. 

Os catamarãs e lanchas saem da Praia da Dulce ou dos restaurantes Karrancas e Castanho. Quando você fechar seu passeio é bom estar atento a isso, mas a agencia irá te informar. Lembrando que a Praia da Dulce não fica em Piranhas, mas no município vizinho, Olho d’água do Casado, mas não há com o que se preocupar pois são apenas 15/20min de carro até lá e basta colocar no GPS. Além disso, os passeios de catamarã normalmente saem pela manhã as 9h/10h mas em épocas de muito movimento eles saem também as 14h e duram cerca de 4h. De lancha o horário é semelhante, mas você tem a liberdade de alterar para o que for mais conveniente, podendo durar até 6h. 

Finalmente dando início ao nosso passeio, embarcamos na nossa voadeira lá na Praia da Dulce e começamos o passeio pelo Rio que por si só já é lindo. Nosso piloto, Lucas, foi parando em alguns pontos com pequenas grutas para tirarmos fotos, daí seguimos para o Vale dos Mestres (o catamarã não chega aqui) que é uma região com águas rasas, própria para banho e bem isolada, que fica na região do sitio arqueológico de mesmo nome e possui trilhas de aproximadamente 2000m de extensão e pinturas rupestres de mais de 3mil anos. Foi um dos pontos que mais amamos! Lá podemos ficar cerca de 1h apenas curtindo a paz do Rio. 

Vale dos mestres. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Nossa cara de surpresa nas grutas. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Nossa cara de felicidade. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Escadaria para ver a imagem de Sao Francisco. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Vista da escadaria e catamarã ao fundo. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Imagem de Sao Francisco. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Após a pausa para banho, nós entramos na área que começam os cânions e demos uma parada em uma escadaria que fica em uma das rochas para ver de perto a imagem de São Francisco (o catamarã não chega aqui) deixada por devotos. O lugar também funciona como um mirante e a imagem é muito bonita. Ao longo do percurso o nosso guia vai mostrando alguns dos cânions mais importantes: Pedra do Gavião, Morro dos Macacos, Pedra do Japonês e Paraíso do Talhado.

Bem pertinho dessa escadaria já começam as paradas para o famoso banho nas redes de proteção que é onde os catamarãs param. Existem dois portos e nós paramos no Porto de Brogodó que é onde fica a parte mais famosa do passeio. Lá você fica cerca de 1h ou 1:30h nas piscinas formadas pelas redes de proteção, mas não se iluda por que ainda assim há 10m de profundidade, mas há macarrões e salva vidas para evitar qualquer perigo. Há também uma piscina para crianças. 

Piscina natural com rede de proteção. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Macarrões e posto onde ficam os salva vidas. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Canoas que fazer o percurso da Gruta do talhado. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Finalmente o momento mais aguardado do passeio: a gruta do Talhado! Lá no Porto de Brogodó você paga 10 reais (tem que ser em dinheiro) a parte para ir de canoa até essa área. O percurso é curtinho, cerca de 15min ao todo, e o diferencial é que nessa parte os cânions estão muito próximos um do outro então você consegue fotos lindas e tem uma sensação bem diferente do passeio em geral. Foi nessa parte que diversas novelas da rede globo foram gravadas, como a novela Velho Chico e Cordel Encantado, inclusive o nome do porto é por causa dessa última.  

Nós na Gruta do talhado. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Porto de Brogodó. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Depois disso o passeio segue para o almoço, de lancha fica a cargo do cliente e de catamarã depende da empresa que você fechar. A maioria dos catamarãs para no Karrancas ou Castanho que é de onde desembarca, nós optamos por almoçar na Praia da Dulce. Lá é uma espécie de prainha (muito bonita por sinal) ou orla com mesas e estrutura de banheiros etc e o almoço foi uma tilápia frita no forno a lenha deliciosa e super barata! Comida caseira preparada na hora e custou apenas 40 reais para três pessoas. Foi um dia maravilhoso e com certeza repetiríamos esse passeio em outra vinda a Piranhas!       

Almoço na Praia da Dulce. Foto: Acervo Projeto Alagoas.
Pier da Praia da Dulce. Foto: Acervo Projeto Alagoas.

Dicas:

  • Recomendável para todas as idades
  • Acessível para deficientes ou pessoas com problemas de locomoção 
  • Fácil acesso
  • Passeios variam de valor e horário de acordo com a agência e tipo de embarcação, consultar diretamente com as mesmas
  • O ponto de embarcação varia de acordo com a agência, pode ser da Praia da Dulce, Restaurante Castanho ou Karrancas e atracadouro de Piranhas.
  • Acredito ser mais prático partir da Praia da Dulce já que todos fazem parada lá, mas vai depender de onde você estiver hospedado. Se estiver na pousada Castanho sairá no Castanho por exemplo.  

Informações:
Endereço: Praia da Dulce, Rua Prefeito Luís Viana, Olho d’Água do Casado – AL, 57470-000.
Agência Lampião Tour: (79) 99866-3274, Instagram:@lampiaotour
Agência MFtur: (79) 99972-1320 ou (82) 99986-2038, Instagram: @mfturxingo
Agência Quiosque Flor do Mandacaru: (82) 98754-5472, Instagram: @quiosque_flor_do_mandacaru
Restaurante Karrancas: (79) 99869-6428, Instagram: @karrancas_restaurante
Restaurante Castanho: (82) 99959-1405, Instagram: @restaurante_castanho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *